top of page

Carlsen se classifica no tiebreak blitz e Shankland dá uma aula de cálculo! Veja como foi a rodada

A Copa do Mundo de Xadrez chega às Oitavas de Final. A disputa vai ficando cada vez mais acirrada e os empates vão aparecendo cada vez mais nos tabuleiros, afinal, quem vai se arriscar nesta reta final com os 16 jogadores que sobreviveram entre os 206 que iniciaram a competição?


Estamos em um grupo seleto e ninguém vai entregar os pontos com facilidade, mas não pense que os vários empates significam "falta de combatividade", pelo contrário, mesmo em posições perdidas ou inferiores os jogadores lutam até o último segundo! Vamos aos destaques e resumo dos matches


Carlsen (2847) 5–3 Esipenko (2716)

O destaque das Oitavas de Final foi o embate entre o atual campeão mundial Magnus Carlsen e o jovem Andrey Esipenko. Os comentaristas, e claro, muita gente na internet, chamavam a atenção por "Esipenko ter um score 100% contra o atual campeão mundial". Sim, isso era verdade, mas vamos esclarecer melhor os fatos. Esipenko é um jovem russo que recentemente chegou aos 2700 de rating e começou a aparecer no torneios badalados da elite. Em sua recente aparição no Tata Steel Masters, fez uma excelente campanha e ficou em 3º lugar, apenas meio ponto atrás do campeão Giri e Van Foreest, e à frente de Caruana, Carlsen e companhia. Neste torneio, Esipenko enfrentou Carlsen pela primeira vez e venceu uma excelente partida, mostrando uma combatividade incrível (veja a partida AQUI ). Mas, este foi o único confronto dos dois nas clássicas, então ainda acontecerão muitas disputas entre os dois.


Enfim, este match prometia ser realmente emocionante e assim aconteceu!


Magnus jogou sem nenhum risco durante as partidas clássicas, que terminaram empatadas rapidamente por repetição nos lances 24 e 36.


Nas rápidas de 25' + 10", Carlsen iniciou de brancas e rapidamente levou a partida para caminhos menos teóricos, colocando o jovem para resolver problemas logo cedo. Mas Esipenko jogou bem firme e não teve dificuldades para sacrificar um Peão e jogar por compensação com seu par de Bispos, mostrando o perfeito equilíbrio entre "material x atividade" e a primeira partida terminou empatada. Na segunda partida jogaram novamente uma Italiana e Carlsen tentou pressionar, bem ao seu estilo, buscando pequenas vantagens próximo ao final. E nesta sim o campeão do mundial tentou até o lance 85, mas o russo segurou o empate sem muitas dificuldades.


Depois de 4 empates, o match foi então para as rápidas de 10' + 10" e provavelmente a estratégia de Carlsen era realmente levar para os ritmos mais rápidos. Logo na primeira partida, Carlsen jogou de brancas e tentou jogar uma posição com algum desequilíbrio, e desta vez Esipenko avaliou mal uma troca de peças e caiu em uma posição inferior.

Carlsen - Esipenko

World Cup 2021


Após 18... Ce4?!, provavelmente o russo deve ter analisado algo como 19.Bxe4 dxe4 20.Dxe4 Bxe5 21.Dxe5 Bxc6, que daria um jogo equilibrado, mas com chances para os dois lados por conta dos Bispos de cores opostas no meio jogo. Porém, Magnus jogou a melhor sequência 19.Bxe4 dxe4 20.Cd7 e a tentativa de 20...f5 para dinamizar a posição com o par de Bispos não funcionou bem por conta de 21.Cxf8 Dxf8 22.Bf4 e o russo precisou trocar um de seus Bispos. Com algumas trocas, Magnus já conseguiu eliminar qualquer tentativa das Pretas e aconteceu então a primeira vitória!


Na segunda partida rápida, Esipenko repetiu a Italiana, só que desta vez jogando de forma mais ambiciosa e incrivelmente conseguiu colocar pressão em Magnus, ganhou um Peão, levou para um final e demonstrou excelente técnica! Esipenko venceu e voltou para a disputa, deixando o placar igualado novamente em 3-3.


Mas aconteceu uma curiosidade na partida, uma "cegueira coletiva". Magnus fez a famosa capivarada e Esipenko simplesmente devolveu a gentileza e NÃO aceitou o presente... Veja o diagrama abaixo.

Esipenko - Carlsen

World Cup 2021


Magnus acabou de jogar 36...Dxc3?? Como jogar de brancas? Spoiler: Esipenko jogou 37.Dxc3??


Sim, uma posição simples de tática que você já deve ter executado algumas dezenas de vezes em sites de exercícios: 37.Te8+! Txe8 38.Dxc3, ou então 37.Te8+! Rh7 38. Dxc3 Txc3 39. Txb8.


Em seguida o desempate seguiu para as partidas blitz de 5' + 3". Magnus mudou sua escolha de aberturas e foi para 1.e4! O norueguês conseguiu uma vantagem no meio jogo, levou para um final de Bispo de cores opostas e deu um show na condução deste final, mais uma vitória que colocou Magnus na frente do placar. De brancas, Esipenko não abandonou sua Italiana e a partida seguiu bem segura para ambos. Em certo momento o russo precisou se arriscar um pouco mais, pois o empate selaria sua eliminação. Foi então que Magnus fez um interessante sacrifício de Peão para abrir a Coluna H, que poderia gerar muitos problemas a Esipenko, e realmente gerou! O russo teve que se expor demais e como se diz popularmente "a casa caiu". Magnus capturou todos os Peões da Ala da Dama enquanto fazia ameaças simultâneas ao Rei de Esipenko, mostrando uma perfeita condução de como explorar o Rei vulnerável do adversário.


E assim terminou o match, 5-3 para Magnus que seguiu para as Quartas de Final.


Bacrot (2678) 4 – 2 Piorun (2608)

Aconteceram dois empates nas partidas clássicas. Na primeira partida do desempate de rápidas o polonês Piorun jogou de forma muito criativa e a partida foi tomando um rumo tão exótico que em certo momento os espectadores poderiam até desconfiar que a partida havia iniciado como um "Fischer Random".

Bacrot - Piorun

World Cup 2021

Brincadeiras a parte, Piorun conseguiu desenvolver um excelente ataque e venceu a primeira partida do desempate! Bacrot tinha então uma difícil missão de tentar voltar para a disputa, porém jogando de pretas. Novamente, uma abertura nada convencional e os dois foram para a "briga de rua". Meio jogo com par de Cavalos para Piorun contra par de Bispos de Bacrot, que jogou uma baita partida e conseguiu vencer, igualando assim o match.


Já nas rápidas de 10' + 10", Bacrot começou de pretas e deixou um pouco as esquisitices de lado e partiram para uma Siciliana, destas bem desequilibradas com os dois lados sacrificando material e buscando a iniciativa. Vale a pena ver a partida! O francês levou a melhor e conseguiu vencer, ficando na frente do desempate. Na partida seguinte, Piorun tentou forçar um pouco os acontecimentos e Bacrot gerenciou bem a partida, levando para um final de Torres melhor e acabou vencendo mais uma partida, finalizando em 4-2 o match.


Grischuk (2778) 1,5 – 2,5 Duda (2738)

Eles deram uma aula nas partidas clássicas! As duas partidas terminaram em empate, porém foram combates duros que poderia ter dado qualquer tipo de resultado, excelente demonstração dos top player do torneio.


No desempate rápido, Duda iniciou de brancas e jogou uma Ruy Lopez, apresentando uma ideia muito interessante de como enfrentar a variante Berlinesa sem entrar rapidamente nos finais. Uma partida em que conseguiu colocar pressão em cima de Grischuk e levou para um final ganho, demonstrando excelente técnica! Na segunda partida, Grischuk arriscou e tentou desequilibrar, porém Duda jogou mais seguro e conseguiu o empate, finalizando o match em 2,5-1,5.


Vidit (2726) 1,5 – 0,5 Durarbayli (2625)

A primeira partida foi extremamente confusa, com o jovem do Azerbaidjão deixando o Rei sem rocar enquanto tinha um Peão prestes promover. Vidit acabou tendo que entregar um Bispo por vários Peões e no meio de toda a confusão a partida terminou empatada em um final.


Na segunda partida clássica, Vidit jogou de pretas e a partida seguiu em uma Ruy Lopez. Esta partida foi um excelente modelo de como punir o adversário por uma peça mal colocada. O indiano conseguiu encurralar o Bispo de casas brancas de Durarbayli, que acabou jogando a partida praticamente inteira com esta peça a menos. Veja nos diagramas abaixo o desenrolar da partida.